Notícias

30/10/2015
Mercado Imobiliário
Os preços médios dos condomínios em diferentes regiões de SP
 

São Paulo - Os prédios da zona oeste da cidade de São Paulo cobram, em média, a taxa de condomínio mais cara da cidade.
Na região, o valor médio da cota condominial paga pelos moradores é de 870 reais, acima do registrado na zona sul, de 829 reais.
Já o valor mais baixo da taxa é encontrado na zona norte. Segundo a pesquisa, o valor médio da despesa na região é de 524 reais. Na zona leste, a taxa de condomínio paga pelos moradores é de 579 reais, em média.

Veja a seguir os resultados do levantamento por região da cidade:

Região Valor médio do condomínio
Zona oeste R$ 870,00
Zona sul R$ 829,00
Zona leste R$ 579,00
Zona norte R$ 524,00

O levantamento tomou como base informações referentes a 11,1 mil condomínios residenciais da cidade de São Paulo, que possui um total de 21 mil condomínios. 

Custo é maior em empreendimentos com poucas unidades

O estudo também mostra que empreendimentos com menor número de unidades têm, em média, taxas mais altas.

O valor médio do condomínio em prédios com até 30 apartamentos é de 1.254 reais. Já nos empreendimentos que têm entre 31 e 60 unidades, a cota cai para 625 reais. O valor diminui para 470 reais nos condomínios que têm entre 61 e 100apartamentos.

Já nos empreendimentos com 101 a 200 unidades, a cota média fica em 446 reais. Nos que têm mais de 200 apartamentos, o valor é de 439 reais, em média.

Número de unidades Valor médio do condomínio
Até 30 apartamentos R$ 1.254,00
De 31 a 60 apartamentos R$ 625,00
De 61 a 100 apartamentos R$ 470,00
De 101 a 200 apartamentos R$ 446,00
Mais do que 200 apartamentos R$ 439,00
 

Na região oeste, além de falta de terrenos, há uma limitação para a construção de empreendimentos maiores por causa do Plano Diretor Estratégico da cidade. Além disso, na região também são pagos, em média, salários maiores para zeladores, porteiros e faxineiros. "Como existem muitos empreendimentos de alto padrão na região, é exigida maior qualificação dos funcionários, o que tem impacto sobre o salário".
Como as despesas com funcionários são o principal custo dos condomínios - costumam representar 50% da despesa total -  os altos salários pressionam as taxas condominiais. Os gastos com funcionários são seguidos pelas despesas com contas de água e luz e por contratos de conservação e manutenção.

Custo deve ser previsto no orçamento
O condomínio é uma despesa permanente, que deve ser considerada por quem quer comprar ou alugar um imóvel.
Nos últimos três anos, o reajuste das taxas de condomínio vem seguindo ainflação na cidade, e tem ficado entre 6% a 7% ao ano. "É necessário ter espaço no orçamento para arcar com esses custos adicionais e evitar um eventual descontrole das finanças".
Os reajustes podem ser superiores aos de índices inflacionários se a inadimplência da taxa condominial for alta no empreendimento. Uma maneira de evitar o problema é pedir para verificar as contas do empreendimento antes de adquirir ou alugar um imóvel usado.

 

 

 
Outras Notícias
30
10
Descontos de imóveis usados crescem em SP e vendas disparam
[+] saiba mais
03
11
Mercado imobiliário reduz preços e facilita pagamentos para recuperar clientes
[+] saiba mais
 
Voltar

SOBRE NÓS

Dias & Couto Negócios Imobiliários
Rua Carlos Escobar, 298
Santana - São Paulo / SP
Creci. 034.350J


Mapa de Localização

www.imoveiscompasso.com.br © 2020. Todos os direitos reservados.

Site para Imobiliarias
Site para Imobiliarias